IMC: calcule o seu

Imagem retirad ade https://fortissima.com.br/wp-content/uploads/2014/09/como-calcular-o-imc-tt-width-660-height-300-bgcolor-FFFFFF.jpg
Imagem retirad ade https://fortissima.com.br/wp-content/uploads/2014/09/como-calcular-o-imc-tt-width-660-height-300-bgcolor-FFFFFF.jpg

A sigla IMC significa Índice de Massa Corporal e correlacionada o peso de uma pessoa em quilos com sua altura.

Ele é usado para detectar casos de obesidade ou desnutrição, principalmente em estudos que envolvem grandes populações.

Para a avaliação de um paciente individualmente, no entanto, ele pode ser falho por não levar em conta a composição desse peso corporal, que pode ser composto por gordura, músculos, água e estruturas ósseas

Calcule seu IMC
O IMC é calculado dividindo o peso pela altura elevada ao quadrado. Ou seja, de forma mais simples, você multiplica sua altura por ela mesma e depois divide seu peso pelo resultado da última conta.

Por exemplo, uma pessoa com 1,70 m e 70 kg fará o seguinte cálculo:
- Altura multiplicada por ela mesma: 1,70 x 1,70 = 2,89
- Peso dividido pelo quadrado da altura: 70 / 2,89 = 24,22

Logo, essa pessoa tem IMC de 24.

Mas o que cada um desses resultados significa para a saúde?
Abaixo do peso: uma pessoa nestas condições pode estar com alguma doença que a está emagrecendo ou sua nutrição não está boa o suficiente. Normalmente estas pessoas podem ter deficiências de nutrientes como vitaminas, sais minerais, proteínas, gorduras ou sob o risco de estar com anorexia.

Peso normal: Pessoa com pouco risco de doenças tanto por baixo quanto por alto peso.

Sobrepeso: risco de doenças relacionadas à obesidade, mas em magnitude menor, como diabetes tipo 2, dislipidemia (com colesterol HDL baixo e triglicérides altos), ácido úrico aumentado, hipertensão, etc.

Obesidade (graus 1, 2 e 3): Risco muito grande de ter doenças como diabetes tipo 2, dislipidemia (com colesterol HDL baixo e triglicérides altos), ácido úrico aumentado, hipertensão, esteatose hepática

O IMC está sempre certo?
Infelizmente, a medida de IMC nem sempre representa a realidade. Por exemplo, o músculo é muito mais pesado que a gordura. Logo, um halterofilista terá um IMC muito alto, mas isso não se reflete em obesidade, já que a maior parte de sua massa corporal é formada por musculatura.

É importante levar em conta que a massa corporal é formada por água, gordura, músculos e ossos, e tudo isso precisa ser bem avaliado para medir a saúde de alguém corretamente.

Existem alguns outros índices e medidas que podem ser usados, como:

Medidas antropométricas
Nelas, você usa uma fita métrica e um adipômetro (instrumento que se parece com uma pinça) para medir a circunferência e quantidade de gordura nos braços, pernas e tronco, em alguns pontos estratégicos. Com isso, é possível avaliar onde a pessoa acumula mais peso.

Bioimpedância
Esse exame, feito por um aparelho que dispara uma descarga elétrica fraca pelo corpo, consegue estimar o percentual de água, massa muscular e massa gorda do organismo.

Circunferência abdominal
Essa medida ajuda a avaliar a quantidade de gordura visceral do paciente, que é a mais perigosa. Muitas pessoas, por exemplo, podem estar perto do IMC normal, mas, por apresentarem este tipo de acúmulo de gordura, têm um risco aumentado de doenças metabólicas, como diabetes, hipertensão, colesterol ruim alto, etc.

Aqui na América do Sul, as medidas ideias são abaixo de 80 centímetros no caso de mulheres e abaixo de 90 cm nos homens.

Relação cintura-quadril
Esta medida também ajuda a olhar onde está o acúmulo de gordura de cada pessoas. Existem organismos que acumulam mais gordura na barriga (corpo em forma de maçã) e outros que têm mais tecido adiposo nos quadris (corpo em forma de pera). O primeiro tipo tem um risco maior de acúmulo de gordura visceral e de apresentar doenças metabólicas.

IMC para crianças
As faixas de IMC para as crianças mudam de acordo com a idade e o sexo, e para orientar os médicos existem tabelas da Organização Mundial da Saúde (OMS) para fazer esse cálculo. Mas os pais também podem se orientar por essas tabelas. Clique aqui e siga o passo a passo para descobrir se seu filho está com baixo peso, peso normal, sobrepeso ou obesidade.

IMC para idosos
Quando a idade chega, a composição corporal muda: os músculos diminuem e o tecido adiposo aumenta. Por isso, o cálculo do IMC é igual, mas os resultados são diferentes em pessoas com mais de 60 anos.

Isso ocorre porque a magreza excessiva na terceira idade pode estar relacionada ao aumento de chances de queda, fragilidade excessiva ou mesmo pode ser consequência de alguma doença de base.

Fonte: Natural Spa, escrita por Nathalie Ayres

qrc:///tray_popup/win/index.html#